Pressione "ENTER" para buscar ou ESC para sair

Coronavírus e o aumento da disputa pela guarda dos filhos

Ascom

Fonte: CBN

A circulação do Coronavírus no Brasil fez muitos pais levarem à Justiça a disputa pela guarda dos filhos. Ex-casais tem aproveitado os efeitos da doença no país para dificultar  o acesso da criança a um dos genitores. O aumento da demanda já é percebido pelos profissionais da área. Para o advogado especialista em Direito de Família e Sucessões, Rodrigo da Cunha Pereira, em entrevista à CBN, é preciso bom senso nesses momentos. Ele cita uma situação que tem sido comum. “A mãe não queria que o pai convivesse com o filho, já que ele está em um trabalho de risco. Ela mora com a criança e também com o avô que está no grupo de risco. Quando existe boa vontade, é possível facilitar essa relação para que o pai veja criança usando a tecnologia, por exemplo”, relata o advogado.

Escute a matéria da CBN na íntegra:

Para o advogado Rodrigo da Cunha Pereira esta pandemia tem escancarado que a guarda compartilhada no Brasil ainda não é uma realidade, assim como convivência igualitária entre pai e mãe com os filhos. Se o fosse, as decisões dos juízes de “suspender as visitas” de pai com filho, seriam diferentes.

“Ora, se está correndo risco de contágio com o pai, também está com a mãe. E aqui também valem as exceções, para o pai ou mãe, por exemplo, que está na linha de frente do combate a pandemia, com riscos mais evidentes de veicular o vírus para seus familiares. Se tivesse guarda compartilhada no Brasil nem haveria necessidade de suspensão da convivência, pois o filho cumpriria a quarentena com ambos os pais, em residências alternadas na guarda compartilhada. Enquanto a mãe estiver dizendo “eu deixo o pai visitar o filho” é porque ainda não existe guarda compartilhada no Brasil”, revela.