Pressione "ENTER" para buscar ou ESC para sair

Programa busca combater alienação parental

claudiovalentin

Fonte: Ibdfam

O Ministério Público de Minas Gerais criou o Programa de Efetivação dos Vínculos Familiares e Parentais (Proevi) que tem como proposta difundir os temas da guarda compartilhada, da alienação parental e da importância da convivência familiar para crianças, adolescentes, idosos e pessoas com deficiência.

O programa foi criado a partir da Recomendação nº 32 do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e, de acordo com o procurador de Justiça, Bertoldo Mateus de Oliveira Filho, da Coordenadoria de Defesa do Direito de Família do Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MP-MG), “reflete a preocupação do MP brasileiro com a inefetividade atual do processo puramente adversarial, valorizando, assim, o acesso à Justiça (e não apenas a garantia formal de acionamento do Poder Judiciário) através de métodos autocompositivos. A solução do conflito construída pelas partes é também um dos pilares estruturantes do novo processo civil preconizado pela Lei 13.105/15”, garantiu. Os próximos passos, segundo ele, serão a finalização da estrutura material e profissional, a ampliação das parcerias e a discussão multidisciplinar dos temas afetos à atribuição do Proevi.

Alienação parental
Alienação parental

O procurador faz um balanço positivo do programa, “haja vista o grande interesse despertado nos parceiros para com as atividades pioneiras da iniciativa, bem como pela confiança no programa pelos juízes e promotores de família e dos juizados especiais criminais, através do envio de casos concretos. Por outro lado, já colhemos bons frutos, isto é, alcançamos o objetivo de suprimir desgastes e ressentimentos, restabelecendo, em muitos casos, a harmonia familiar. Neste sentido, também mediante a definição de curatela compartilhada e a intervenção restauradora de direitos da pessoa com deficiência”, disse.

O Proevi já realizou parcerias com as universidades Fumec, UNA e UFMG. Segundo Bertoldo Mateus de Oliveira Filho, as parceiras visam obter o atendimento na área psicossocial quando identificada a conveniência do atendimento qualificado aos integrantes de núcleos familiares conflituosos, inclusive no que diz respeito à convivência com a pessoa com deficiência e do idoso. Agora estão estruturando materialmente para o tratamento das dificuldades parentais, principalmente por meio dos métodos autocompositivos e de atendimento humanizado e de escuta interessada.

Saiba mais sobre a recomendação.

Leia mais sobre o tema.