Pressione "ENTER" para buscar ou ESC para sair

Busca por “divórcio” na web cresce 9.000 por cento; Rodrigo da Cunha Pereira avalia o fenômeno

Ascom

Fonte: Rio TV Câmara

Durante o isolamento social forçado e o cumprimento da quarentena por conta da pandemia do Coronavírus, cresceu o número de pesquisas na internet pela palavra “divórcio“. O número expressivo chega até a 9.000%. Presidente do Instituto Brasileiro de Direito de Família – IBDFAM, o advogado Rodrigo da Cunha Pereira comentou o fenômeno em entrevista à Rio TV Câmara.

Para o especialista, a convivência acirrada levou alguns à conclusão de que “eram infelizes e não sabiam”. Ele já nota um aumento na busca por divórcios, mas prevê que os números cresçam ainda mais depois da pandemia, quando as pessoas puderem sair de casa. Por enquanto, o atendimento de quem deseja divorciar é realizado de forma virtual.

Confira a entrevista concedida por Rodrigo da Cunha Pereira ao Boletim CRN (começa em 16:20).

Divórcio digital

No dia 26 de maio de 2020, o CNJ expediu o Provimento Nº 100 que dispõe sobre a prática de atos notariais eletrônicos utilizando o sistema e-Notariado. Dessa forma, os cartórios de notas poderão realizar seus procedimentos a distância e por meio eletrônico, com a utilização da videoconferência e da assinatura digital.

Nesse momento de pandemia, as pessoas estão sendo obrigadas a repensar suas práticas por que se não o fizer os divórcios não aconteceriam. “Um grande número de divórcios estão sendo represados”, avalia o advogado. Ele exemplifica com o caso de de Xi’am capital da província de Shaanxi, região central da China, que registrou um recorde no número de pedidos de divórcio após o controle da pandemia e abertura do isolamento na região.

Com o novo provimento será possível que as pessoas realizem os divórcios à distância e sem a necessidade de aguardar pelo fim do isolamento social. O advogado explica que, para fazer o divórcio em cartório, é preciso que seja consensual e que as partes não tenham filhos menores.